Blog

Gerenciamento de Crise 12.03.2020

Gestão de Crises: como proteger as empresas das crises do Novo Coronavírus

Este artigo faz uma análise de como a Gestão de Crises pode atuar nas empresas para ajudar a enfrentar os riscos do novo Coronavírus.

 

Os Coronavirus (CoV) fazem parte de uma família viral que causam gripe, ocasionam febre, prostração, coriza, tosse, dor de cabeça, dor de garganta e geralmente ocorre como uma epidemia (doença de caráter transitório que ataca grande número de indivíduos numa determinada região).

O último deles foi o SARS-CoV, identificado na China em 2002, se espalhando em doze países e matando mais de 800 pessoas, sendo controlado em 2003.

Este atual é um novo vírus dessa família, identificado em 2012, que pela localização dos primeiros casos, a doença foi classificada como Síndrome Respiratória do Oriente Médio, cuja sigla na língua inglesa é MERS-CoV, e agora identificado como Covid-19.

 

coronavirus

 

Sempre que o organismo humano contrai o vírus, o sistema imune não é capaz de identificar essa nova variação e a pessoa contrai a gripe. Ele é altamente contagioso e como pode provocar uma infecção aguda, as conseqüências podem se fatais.

O vírus é transmitido pela respiração e pelo contato direto de duas pessoas quando se tocam, pois eles se alojam na boca, nariz, olhos e mãos. Por isso, recomendam-se cuidados adicionais de higiene pessoal e proteção respiratória para evitar a livre transmissão do vírus.

 

Controle da Epidemia

 

As autoridades mundiais de saúde e as do Brasil, já estão cuidando do controle dessa epidemia para evitar que se transforme em pandemia.

Especialistas de saúde dão conta que, a partir de agora, o espalhamento da contaminação terá progressão geométrica e que os sistemas de saúde publico e privado terão que se preparar para atender essa enorme demanda que virá.

Setores do governo e o legislativo já se reuniram para liberar verba suficiente ao SUS a fim de mitigar os efeitos da pandemia que se aproxima, em todos os setores produtivos, no mercado e na sociedade.

Quanto à preocupação da área de saúde, dos especialistas médicos e representantes do governo, não se discute, estão agindo de forma séria e correta para controlar o problema.

O lado questionável dessa história fica por conta da reação das pessoas, impulsionadas pelo alarde da imprensa por meio de reportagens além do recomendável e das redes sociais criando uma ‘Síndrome Alarmista das Redes Sociais’, o novo SARS-20, fake news contaminando todos pela desinformação exacerbada.

 

Como a Gestão de Crises pode ajudar as empresas a enfrentar os riscos do novo Coronavírus

 

Como profissionais de comunicação, não podemos evitar que o vírus alcance as pessoas de nossas empresas, nossos clientes, pois trata-se de um problema de saúde pública, de vigilância sanitária, tanto no que diz respeito às medidas de saúde, no controle e o combate médico quanto à comunicação, com campanhas de informação de massa para orientação a toda população.

Como comunicadores temos que atuar como facilitadores reforçando informações corretas e consistentes, transmitidas por autoridades, a fim de tornar as pessoas melhor informadas e conscientes dos riscos e cuidados a tomar.

Não podemos ser portadores de informações estapafúrdias ou realizar ações miraculosas, como a distribuição de máscaras em empresas, nas fábricas, na rua, escolas ou shoppings.

Isso é irresponsabilidade e só aumenta a insegurança. As máscaras só devem ser usadas por pessoas infectadas ou por quem cuida diretamente de quem está doente.

Proteger o rosto ao espirrar com o braço dobrado ou um lenço para não espalhar o vírus e lavar as mãos é obrigação de qualquer pessoa minimamente educada.

Mesmo sabendo que parte da população não faz isso, não dá para mudar o jogo de um dia para o outro. No máximo, podemos fazer alertas para a proteção, sem devaneios, sem sensacionalismo.

A Gestão de Crises responsável não vai deixar a comunicação corporativa perder esse jogo, nem ser induzida por esse tipo alusivo de informação.

 

Então, o que a Gestão de Crises deve ensinar para as empresas?

 

O papel mais relevante da Gestão de Crises é estar voltada para a estratégia de negócios.

Ao invés de fazer a comunicação se parecer cada vez mais com estratégias midiáticas, da imprensa e das redes sociais, ela tem que parecer mais com as técnicas de continuidade dos negócios, com segurança e prevenção de crises, de controle e bem estar dos funcionários e das pessoas que se relacionam com a empresa.

Ela tem que equilibrar o medo com a razão, a incerteza com a segurança da informação correta. É assim que ela tem que ser e parecer.

 

A Gestão de Crises atuando direto na Gestão de Negócios

 

Para você garantir a continuidade de negócios, precisa definir um plano de antecipação e prevenção de crises.

Senão, terá que gerenciar a crise que já está rondando as portas da sua empresa e impedir a circulação de pessoas, cancelar reuniões, encontros e eventos de negócios importantes e isso afeta a continuidade de negócios.

A comunicação estratégica deve ser elemento chave envolvido em todas as áreas da empresa e não somente no negócio da comunicação.

Ela deve estar presente na área de saúde, médica, segurança, qualidade, recursos humanos e planejamento estratégico.

Ela deve traçar planos de acordo com as definições e necessidades de cada área.

Avaliar cuidadosamente quais são as ameaças, os riscos e os possíveis cenários sob o ponto de vista dessas áreas e desenhar cada plano, sem alarde ou precipitações.

 

Comunicação Interna responsável é a que trabalha alinhada à Gestão de Crises

 

Nesse momento, a Comunicação Interna é a força motora da empresa para garantir um ambiente equilibrado.

Deve orientar os funcionários com informação justa e correta sobre a realidade da situação, por meio de relacionamentos, com informações fundamentadas pela área médica da empresa, de setores oficiais de saúde, de segurança e gestão de pessoas.

Por exemplo, a área de recursos humanos deve tratar o assunto cuidando da qualidade e segurança do ambiente, trabalhando informações racionais para orientar o comportamento dos funcionários com campanhas e informativos sérios e preventivos.

 

A Gestão de Crises tem que atuar em todas as áreas da empresa

 

Como as áreas de administração, produção, logística, comercial, marketing, atendimento ao cliente estão se posicionando em relação aos seus públicos visitantes ou não?

Essa avaliação geral e definição de posturas e posicionamentos são muito mais eficazes do que simplesmente criar campanhas para falar de cuidados pessoais, de como espirrar adequadamente, como usar lenços e máscaras, de como lavar as mãos ou evitar apertos de mão e abraços, coisas que a mídia e os meios sociais já estão fazendo a semanas.

A comunicação corporativa tem que capacitar as áreas com ações que visem a segurança das pessoas. Criar recursos para transmitir confiança aos seus executivos, funcionários e demais grupos de relacionamento. Conscientizar sobre a importância de estar protegido a fim de garantir a qualidade de vida e a continuidade dos negócios da empresa.

 

É assim que ele tem que ser.

Equilibrar o medo com a razão, a incerteza com a segurança da informação correta.

Não com a exploração midiática e a parafernália dos meios sociais.

 

 

Sobre o autor

Font Resize