Este artigo faz uma análise de como você deve aproveitar sua experiência da pandemia de 2020 num plano eficaz de Gestão de Riscos para 2021.

 

Depois da fenomenal e torrencial tempestade passada no ano passado, você já sabe tudo sobre causas, impactos e consequências da pandemia na sociedade e, principalmente, em sua empresa ou no seu cliente e com isso já tem todos os elementos para embasar seu planejamento de prevenção de crises para esse ano.

Seja objetivo e prático, você não precisa mais ficar fazendo elucubrações teóricas e cientificas para entender o que está acontecendo. Não precisa mais depender de notícias falseadas que o incomodaram tanto no ano passado. Você já sabe tudo e deve praticar sua avaliação preditiva dos acontecimentos.

Você acha isso complicado? Arriscado? Então, para te ajudar vamos falar de como você deve agir daqui para frente e como fazer tudo isso de modo mais seguro e por sua conta.

 

coronavirus

 

 

Atue de modo eficiente para enfrentar os riscos das novas ondas

 

Para começo de conversa comece a tratar do assunto de forma realística, sem ingenuidade, inocência, purismo, egoísmo, sem tendências ou ideologias.

Siga essa ordem de entendimento: o que é, o que eu tenho, o que representa, o que eu sofro, o que eu faço, como resolvo.

Primeiro, o vírus está aí e vai continuar contaminando as pessoas. Você não pode evitar que isso aconteça, mas pode criar condições para que aconteça muito pouco ao ser redor.

Como profissional de comunicação você tem o dever de tratar a informação de modo correto, objetivo e direto. Apresentando sempre sua informação de forma consistente com fatos que embasem e possam ser checados. Mesmo quando for de natureza orientativa e, até mesmo, opinativa.

Seja mais facilitador do que complicador, comprometedor. Reforce informações corretas transmitidas por autoridades, a fim de tornar as pessoas melhor informadas e conscientes dos riscos e cuidados a tomar.

Agindo assim, você não vai deixar sua empresa/cliente perder esse jogo, nem mesmo ser induzida ao jogo da desinformação.

 

E como atuar de acordo com os Princípios de Gestão de Crises?

 

O seu papel mais relevante é orientar seu plano de gestão de crises para a estratégia dos negócios.

Ao invés de fazer a comunicação se parecer cada vez mais com estratégias midiáticas, da imprensa e das redes sociais, ela tem que parecer mais com as técnicas de continuidade dos negócios, com segurança e prevenção de crises, de controle e bem estar dos funcionários e das pessoas que se relacionam com a empresa.

Ela tem que trocar o medo pela razão, a incerteza pela segurança da informação correta. É assim que ela tem que ser e parecer.

 

A Gestão de Crises atuando direto na Gestão de Negócios

 

Se você desenvolveu um plano de ação ao longo do ano passado, deve ter também orientado seu plano para o começo desse ano.

Nesse caso, é recomendável fazer uma revisão orientada pelos princípios e procedimentos de gestão de riscos. Isso tornará seu plano muito mais efetivo e seguro.

Agora, se você quer iniciar um plano para garantir a continuidade de seus negócios, vai precisar definir um plano de antecipação e prevenção de crises.

De uma forma ou de outra, precisa estar preparado para enfrentar bem o que virá pela frente e evitar ou gerenciar a crise que já está rondando as portas da sua empresa.

 

A Comunicação de Crise a serviço de sua Proteção

 

A comunicação estratégica deve ser o elemento chave envolvendo todas as áreas da empresa e não somente a de comunicação. Ela deve estar presente na área de saúde, médica, segurança, qualidade, recursos humanos e planejamento estratégico.

Você deve avaliar cuidadosamente quais são as ameaças, os riscos e os possíveis cenários de cada uma das áreas e desenhar seus planos de controle e resultados.

 

A Comunicação Interna trabalhando alinhada à Gestão de Crises

 

Nesse momento, a Comunicação Interna continua sendo a força motora da empresa para garantir o ambiente equilibrado.

Deve orientar os funcionários com informação correta sobre a realidade da situação, por meio de relacionamentos, com informações fundamentadas pela área médica da empresa, de setores oficiais de saúde, de segurança e gestão de pessoas.

Por exemplo, a área de recursos humanos deve tratar o assunto cuidando da qualidade e segurança do ambiente, trabalhando informações racionais para orientar o comportamento dos funcionários com campanhas e informativos sérios e preventivos.

 

A Gestão de Crises tem que atuar em todas as áreas da empresa

 

Avalie como cada uma das áreas – administração, produção, logística, comercial, marketing, atendimento ao cliente – está se posicionando em relação ao problema internamente e com relação aos públicos visitantes?

Essa avaliação geral é imprescindível e a definição de posturas e posicionamentos voltados para suas reais necessidades serão muito mais eficazes do que simplesmente criar campanhas para falar de cuidados pessoais, coisas que todos estão saturados de saber.

A comunicação corporativa tem que capacitar as áreas para ações que visem a segurança de todos, transmitindo confiança aos executivos, funcionários e demais grupos de relacionamento.

Além de conscientizar, proteger e assegurar a qualidade de vida das pessoas você precisa  garantir a continuidade dos negócios da sua empresa.

 

É isso que seu plano de gestão de crises tem que fazer.

Trocar o medo pela razão, a incerteza pela segurança.

A desinformação pela informação.