Blog

Gerenciamento de Crise 20.07.2020

As 4 fases da pandemia da Covid-19 e como passar por cada uma delas em 5 passos

Quer saber como proteger a sua empresa durante a crise do coronavirus? Nesse artigo você vai entender quais são as 4 fases do ciclo desta pandemia e como passar por cada uma delas em 5 passos importantes.

 

O gráfico abaixo mostra a evolução do ciclo da pandemia do novo coronavírus e faz uma análise técnica do processo de Gestão de Riscos durante todo o período. Acompanhe comigo:

 

fases-pandemia

 

Nesse momento, o Brasil está vivendo a metade da fase II – Controle e Tratamento, e as autoridades e lideranças empresariais estão discutindo a fase três. 

 

Fase I – Contaminação e Diagnóstico

 

Essa fase já passou, mas o modus operandido processo e de informação continuam, até hoje, atormentando as autoridades, as empresas e as pessoas.  

Na fase I, o Ministério da Saúde e toda a área médica se mobilizaram para avaliar a chegada, o dimensionamento e o impacto da pandemia no país. Ela foi caracterizada por informações desencontradas e com muitas especulações em torno da Crise na Itália e a chegada do vírus no Brasil, que geraram muita expectativa negativa na população. 

 

Fase II – Controle e Tratamento

 

Essa fase é longa e penosa, de 3 a 6 meses, com avanço da contaminação, ampliação dos casos críticos e fatais, controle e tratamento. Nela se caracterizam três processos distintos que devem ser considerados:

 

  1. Planos de Comunicação - para orientar sobre os cuidados, a prevenção e a redução do alastramento do vírus;
  2. Planos de Emergência com o agravamento da situação e o número de casos críticos e fatais, o setor de saúde pode colapsar. Para evitar isso, já foram tomadas medidas para achatamento da curva de contaminação com redução de atividades produtivas e essenciais e a quarentena com o isolamento social;
  3. Plano de Contingência é incontestável que as medidas de emergência provocam uma crise complementar ligada a economia e ao desemprego que já mobiliza o governo federal e os empresários com planejamento de medidas contingenciais. É aqui que você se encontra, então, não espere nem mais um minuto para montar seu plano de contingência!

 

O governo federal já se antecipou baixando medidas de ajuda financeira para as classes mais desfavorecidas e econômicas para ajuda às pequenas e médias empresas. As empresas estão tomando medidas drásticas de redução de custos e de pessoal e fazendo seus planos para a retomada das atividades.  

 

Medidas Preliminares

Relacione os fatores de interrupção da produção, a falta de insumos, matérias primas, materiais de base de produção, o desemprego, o desabastecimento do mercado, as interrupções no setor de serviços e considere que a recuperação só ocorrerá em médio e longo prazos. Para o curto prazo, avalie e defina quais medidas de proteção já podem ser adotadas para evitar e mitigar os impactos operacionais, logísticos e financeiros. 

 

Os 5 passos de Gestão de Riscos: 

 

  1. Análise do Contexto - avalie os efeitos e impactos que as medidas de emergência vão provocar;
  2. Identificação e mapeamento dos riscos - identifique e relacione os principais riscos com maior poder de impacto na continuidade dos negócios da empresa;
  3. Classificação dos riscos mapeados - crie uma tabela de probabilidade e gravidade para analisar o potencial dos riscos. Faça a classificação de cada risco multiplicando a probabilidade pela gravidade e encontre a severidade de cada risco;
  4. Construção de Cenários - os cenários definem como os riscos vão impactar e as consequências que podem produzir. A partir deles determine a melhor forma de tratamento antecipado para eliminar o risco ou mitigar seis efeitos;
  5. Tratamento - para cada cenário crie um plano de contingência com as ações corretas para eliminar ou mitigar cada risco e garantir a gestão de negócios da empresa. Considere como ações imediatas de correção os recursos materiais e logísticos, novos processos e tecnologias, parcerias e recursos financeiros. Além dos planos de comunicação e relacionamento com os públicos estratégicos. 

 

 

Fase III – Recuperação do Negócio – Social e Econômico 

 

Neste cenário, as causas já produziram efeitos. Se as medidas protetivas durante a fase II foram implantadas com eficiência, então a empresa está em condições de realizar sua recuperação imediata.

Se as medidas não foram eficazes e o mercado ficou parado por mais tempo que o suportável, a retomada dos trabalhos começa devagar e vai levar um tempo maior que o esperado.

De qualquer modo essa é a fase de intensificar as medidas de contingência planejadas na fase anterior. 

 

Primeiro passo – Avaliação do impacto na administração, nos recursos humanos e na cultura da empresa 

 

  • Restabeleça o relacionamento com o público interno considerando os impactos e prejuízos que cada parte sofreu. 
  • Avalie as condições dos funcionários e o quanto estão dispostos a contribuir para a recuperação da empresa. 
  • Estabeleça relação de compreensão mútua para o compromisso de todos. 

 

Segundo passo – Avaliação da capacidade de produção, de entrega e demanda de mercado

 

  • Estimule a colaboração mútua e as parcerias planejadas na fase anterior. 
  • Ajude fornecedores e parceiros a superar a crise e garantir a confiança e o comprometimento na entrega de itens essenciais para a retomada da produção. 
  • Cumpra os acordos acertados com os clientes, distribuidores e revendedores, criando condições conjuntas de fornecimento de produtos e serviços. 
  • Estabeleça condições conjuntas para garantir a confiança e o comprometimento. 

 

Fase IV – Aprendizado – Instalação das Mudanças

 

Nessa fase, você já aprendeu muito com tudo isso, mas colocar tudo em prática é bem diferente. Analise todas as transformações e evite perdê-las com o tempo. Assuma imediatamente as mudanças que você quer manter dentro da empresa.  

A primeira coisa é introduzir as mudanças na cultura da empresa, criando novas políticas, normas e comportamentos. Adote de modo continuado todos os processos aplicados durante a fase anterior, como: 

 

  • Reorganização do trabalho, seletividade de tarefas produtivas, objetividade nas decisões, a adoção do solidarismo 
  • Redução de horas e trabalho à distância 
  • Uso racional e produtivo da tecnologia 

 

Aproveite esse novo modelo imposto pela crise e reestruture as políticas administrativas, tornando a empresa mais eficiente num ambiente normalizado. 

 

Comunicação Eficaz 

 

  • Implante processos de comunicação recíproca, de relacionamento, mantendo as pessoas hierarquicamente envolvidas nas decisões, das mais básicas às estratégicas. 
  • Desenvolva campanhas de envolvimento e engajamento. Não deixe os sentimentos de compreensão, solidariedade e comprometimento esfriarem pela volta da rotina do trabalho. 
  • Pratique momentos de celebração de conquistas e resultados. A partir de agora e depois da crise que todos passaram, cada resultado deve ser comemorado intensamente por todos, porque todos merecem. 

 

Se você quer mais detalhes de todos esses processos, preparamos um e-book que você pode acessar aqui. Eçe é público e gratuito, então, aproveite para baixar  e compartilhar com todo o seu time multidisciplinar de gestão de crises.

Tenho certeza que ele será um material de apoio valioso para você enfrentar esse período de turbulências dentro da sua empresa.

Mãos à obra e bom trabalho.  

 

 

Sobre o autor

Comentários:
Fazer um comentário
Deixe um Comentário